Presidente do Lar Nosso Ninho pede ajuda da Câmara

O presidente do Lar Nosso Ninho, César Henrique Berto, procurou o presidente da Câmara Municipal de Araraquara, vereador Aluísio Boi, para que o parlamentar interceda junto à Prefeitura, no sentido de serem agilizados os repasses das subvenções sociais à entidade, que tem seu projeto regularmente inscrito nos conselhos municipais do segmento.  

A urgência da entidade é justificada pela dificuldade financeira pela qual está passando. Além disso, uma das fontes de rendas, o salão de festas, não está sendo alugado, pelo impedimento da realização de eventos neste período da pandemia, o que dificulta ainda mais sua situação. Além disso, o prédio que abriga os assistidos precisa de reformas urgentes, que estão sendo feitas paulatinamente, conforme são recebidas doações ou feitas compras de material de construção. 

O vereador Emanoel Sponton, que já foi presidente de entidade filantrópica, também participou da reunião e disse compreender as dificuldades pelas quais o Lar passa. Tanto ele, quanto Aluísio Boi, vão entrar em contato com a Prefeitura, para que o pedido seja atendido. Além disso, vão buscar recursos financeiros junto a parlamentares estaduais e federais, para ajudar no custeio da entidade. 

Nosso Ninho 

O lar Nosso Ninho nasceu da sensibilidade da Sra. Abigail Machado Callera, que ao ver crianças abandonadas perambulando pelas ruas da cidade em situação de risco, carentes, negligenciadas, e portadoras de deficiências físicas e emocionais, decidiu acolhe-las em sua casa, dando a elas condições melhores de vida, como educação, alimentação, vestuário e abrigo. 

Em 10 de janeiro de 1963 nasce o “Lar Nosso Ninho”, abrigo especial para crianças especiais, tornando-se sociedade civil, de caráter filantrópico e beneficente, sem fins lucrativos. Sua primeira sede foi na Rua Carlos Gomes, no Bairro São José, em Araraquara. 

Em 1978, iniciou-se a construção de novo prédio, na Rodovia Manoel de Abreu, Km 2, Bairro Vila Velosa, em Araraquara. Em 1980, o Nosso Ninho foi definitivamente transferido da antiga sede para a atual. Aos poucos o espaço físico foi sendo ampliado, com a construção de salas de aula, oficinas e outros espaços. 

Atualmente a Entidade possui diversas atividades, atendendo 19 crianças e adolescentes órfãos, do sexo masculino, portadores de deficiências nos graus leve e moderado, sem comprometimento psiquiátrico.  

Autor: Rita Motta

Jornalista, especialista em marketing digital, fotógrafa e professora na área de comunicação MTB: 22.736/SP

Compartilhar essa notícia em
468 ad