Comissão entrega proposta de Programa Municipal da Pessoa com Deficiência Auditiva

Elisa Santos durante ato de entrega de propostas do Programa Municipal para Pessoas com Deficiência Auditiva

Elisa Santos durante ato de entrega de propostas do Programa Municipal para Pessoas com Deficiência Auditiva

Uma comissão de estudos, criada no ano passado, entregou ao prefeito Edinho a proposta para um Programa Municipal da Pessoa com Deficiência Auditiva ou com Surdez, nesta quinta-feira (19), no Centro Especializado em Reabilitação “Dr. Eduardo Lauand”.

Essa demanda foi apresentada à Prefeitura pela vereadora Thainara Faria (PT), o que resultou na criação da comissão de estudos. Toda a coordenação do trabalho foi da Assessoria Especial de Políticas para a Pessoa com Deficiência, vinculada à Coordenadoria de Direitos Humanos.

“O objetivo do programa é combater a exclusão vivenciada pelas pessoas com deficiência auditiva. A arte de governar é a arte de se colocar no lugar do outro. Dessa forma, vamos errar menos. E a maior transformação tem que estar na consciência de todos os cidadãos, não apenas nas mudanças físicas, urbanas”, afirmou o prefeito Edinho.

“A implantação desse programa é um passo muito importante de inclusão das pessoas com deficiência auditiva e de criação de uma nova consciência”, complementou.

Thainara Faria citou o exemplo dos jovens com deficiência auditiva e que não têm total liberdade para seus afazeres do dia a dia, como, por exemplo, ir a uma consulta médica com privacidade — precisando sempre de um acompanhante. “Estamos lutando para entregar uma liberdade de viver plenamente, sem barreiras”, pontuou a vereadora.

A assessora de Políticas para a Pessoa com Deficiência, Elisa Santos, reforçou que as mães integrantes da comissão lutam pelos direitos de seus filhos, “que sentem na pele as barreiras impostas pela sociedade”. “O governo entendeu a importância desse programa. Que lutemos por uma sociedade em que todos tenham os mesmos direitos de fato.”

A coordenadora de Direitos Humanos, Maria Fernanda Luiz, destacou que as propostas não nascem da cabeça dos governantes. “Elas nascem do diálogo com a sociedade e com as pessoas com deficiência auditiva. São resultado da luta de diversas mães. Existe muito a ser feito, mas alcançamos algo de muito valor”, reforçou. Para a secretária de Saúde, Eliana Honain, trata-se de “um dia especial” por “atender as demandas daqueles que mais precisam”.

Adriana Biazolo, vice-presidente do COMDEF (Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência), parabenizou a Prefeitura por “sempre ouvir as pessoas com deficiência” e destacou que é fundamental ouvir as pessoas.

No mesmo evento, o CAT (Consórcio Araraquara de Transportes) anunciou que irá oferecer cursos de Libras (Língua Brasileira de Sinais) aos seus funcionários. “Uma das grandes demandas é a falta de pessoas capacitadas para dar informações de transportes aos deficientes auditivos”, disse o gerente do CAT, Carlos Aureliano.

Também estiveram no evento o vereador Roger Mendes (Progressistas), as secretárias Juliana Agatte (Planejamento e Participação Popular) e Priscila Luiz (Comunicação), o gerente de Reabilitação, Luiz Armando Garlippe, além de coordenadores municipais e integrantes da comissão de estudos.

Autor: Rita Motta

Jornalista, especialista em marketing digital, fotógrafa e professora na área de comunicação MTB: 22.736/SP

Compartilhar essa notícia em
468 ad