Saúde bucal dos pets deve começar ainda quando filhotes

Ao escolher um dentista veterinário para seu Pet, procure com o mesmo carinho que teria ao procurar um dentista para sua família.

Dra. Angela Camargo: Ao escolher um dentista veterinário para seu Pet, procure com o mesmo carinho que teria ao procurar um dentista para sua família

Você costuma verificar a saúde bucal do seu cachorro? Se sua resposta foi não, talvez esteja na hora de mudar alguns hábitos. Problemas nos dentes e gengivas podem ser evitados com cuidados básicos. A médica veterinária especialista em odontologia veterinária, Dra. Angela Camargo ressalta que é muito importante.

Você sabia que hoje podemos contar com tratamentos odontológicos em animais de estimação semelhantes aos realizados nos humanos. O dentista veterinário é o único profissional que está preparado para diagnosticar e tratar estes problemas.

Importantes para humanos e animais, os dentes são peças fundamentais para a saúde e o bem-estar. Merecem cuidados constantes para evitar o aparecimento de problemas. Por consistir em uma ferramenta fundamental pra a alimentação de cachorros e gatos, a dentição deve receber bastante atenção por parte dos tutores, já que complicações nessa região podem gerar consequências extremamente graves.

Para manter a saúde bucal dos pets em dia, portanto, o especialista mais indicado é o dentista veterinário, capaz de avaliar o estado não só da dentição do animal como da boca toda, prevenindo e/ou diagnosticando problemas futuros prolongando a vida dos pets.

Em Araraquara este tipo de atendimento já é realidade. Dra. Angela Camargo, especialista em odontologia veterinária, formada em Ciências Farmacêuticas pela PUC do Paraná, Medicina Veterinária, Mestre e Doutora em Cirurgia Veterinária pela Unesp de Jaboticabal e Pós-Graduada em Odontologia Veterinária pela Anclivepa – Associação Nacional dos Clínicos Veterinários de Pequenos Animais.

Angela Camargo destaca que sempre gostou muito da área odontológica e teve esta iniciativa depois que começou a ver a carência nas avaliações e tratamentos dentários.

Enquanto muitos donos de pet só se preocupam com a saúde bucal do animal quando algum problema exige, como a extração de um dente, Angela Camargo destaca que ao nascerem, os mesmos devem passar por escovações dentais diárias para manter a higiene e impedir a formação do tártaro, que é um dos maiores inimigos da dentição dos pets.

Provocado pelo acúmulo da placa bacteriana, o tártaro (cálculo dentário) que se forma nos dentes pode provocar problemas sérios evoluindo para perdas dentárias. No entanto, se engana quem pensa que a perda da dentição é a consequência mais grave desse tipo de problema, já que as bactérias presentes na doença periodontal podem cair na corrente sanguínea do pet, levando infecções para o corpo todo do animal.

Órgãos vitais como fígado, coração e rins podem ser afetados por essas bactérias, gerando um risco de morte real para o animal. Além disso, quando a doença periodontal alcança um estágio bastante avançado, ocorre perda das estruturas que sustentam o dente e na sequencia o consumo ósseo da mandíbula e da maxila, podendo gerar fraturas patológicas difíceis de serem solucionadas. Por isso, é essencial que todos os pets tenham uma boa higienização bucal e que passem por uma consulta com um dentista veterinário, pelo menos, uma vez ao ano, garantindo que qualquer tipo de problema seja detectado ainda no seu início e que nenhuma consequência mais grave o afete.

Angela Camargo destaca que a odontologia veterinária é uma especialidade que surgiu devido a importância da manutenção da saúde oral para uma maior sobrevida. Inúmeras patologias diagnosticadas clinicamente estão associadas a problemas orais.

Hoje, podemos contar com tratamentos odontológicos em animais de estimação semelhantes aos realizados nos humanos. “Temos como prevenir a perda dentária e muitas vezes preservar dentes e não simplesmente fazer uma limpeza ou extraí-los”.

Doutora Angela finaliza dizendo que o dentista veterinário é o único profissional que está preparado para diagnosticar e tratar estas patologias. “Além de desempenhar este trabalho, precisamos de materiais e equipamentos específicos, caso contrário, pouco poderá ser feito para resolver os problemas orais dos pets”, conclui.

Vale lembrar que aproximadamente 85% dos cães em fase adulta – acima dos cinco anos de vida – tem de lidar com algum tipo de problema dentário, fica ainda mais clara a ideia de que esse tipo de cuidado deve ser levado em conta e ser constante na vida dos pets.

Agende já uma avaliação para seu amiguinho!

Seu pet muito mais feliz!

Autor: Rita Motta

Jornalista, editora de televisão e jornalismo na internet, que se especializou em jornalismo e marketing digital em comunicação.

Compartilhar essa notícia em
468 ad

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *