Pedro Martins dá adeus a Ferroviária

Serei sempre grato ao presidente Carlos Salmazo, pelo aprendizado diário e por me oferecer a oportunidade de gerenciar o clube de minha cidade natal,

Serei sempre grato ao presidente Carlos Salmazo, pelo aprendizado diário e por me oferecer a oportunidade de gerenciar o clube de minha cidade natal

 

O Diretor Executivo da Ferroviária, Pedro Martins, se despediu nesta sexta-feira, 31 de agosto, de colaboradores, atletas e torcedores através de um artigo, que discorre sobre a consolidação do projeto de futebol da instituição e projeta os desafios futuros.

Após mais de 3 anos de envolvimento com o grupo de gestão atual, o profissional deixa o clube em função de uma nova oportunidade profissional.

A Ferroviária Futebol S/A anunciará em breve, o novo modelo de gestão executiva para o próximo ciclo, que contará com as Diretorias Financeira, Administrativa, Planejamento e Desenvolvimento, além do Futebol.

Segue abaixo o texto de Pedro Martins:

Caros,

Escrevo esta carta para me despedir da função de Diretor Executivo da Ferroviária de Araraquara. Ao longo desta jornada, tive o imenso prazer de participar das rotinas deste clube através de dois cenários distintos: no primeiro, através da parceria com o Clube Atlético Paranaense, iniciada em 2014, e depois como colaborador em 2017.

Durante o exercício desta função, pude perceber e valorizar o esforço realizado pelos abnegados que aqui passaram, a reconstrução desta instituição é fruto do suor de pessoas que acreditaram no crescimento e no sucesso desta organização, que sempre representou e levou o nome de Araraquara mundo afora.

Através da construção do acesso para a Série A1 do Campeonato Paulista, vivenciamos os percalços ocasionados pelos descensos consecutivos, batalhamos com as dificuldades e os desafios financeiros, bem como desfrutamos do alívio do fim de uma longa espera, que já durava 19 anos.

O acesso de divisão trouxe com ele novos desafios e exigências, a Série A1 de 1996 não tinha semelhança alguma com a de 2016, as demandas por investimento em planejamento, organização, infraestrutura, staff e atletas eram urgentes. Estava nítido que a Ferroviária precisava mudar a sua mentalidade corporativa, para que esta oportunidade única se transformasse em um projeto de futuro para o clube.

Entre as rotinas incessantes e jogos constantes, assumimos o compromisso de pensar no futuro da instituição diariamente. Mesmo com as brigas por resultados, sejam elas pelo título ou pela permanência, jamais deixamos de sonhar e refletir sobre a perenidade de um modelo que procura subverter a lógica atual da indústria. Compreendemos que a elite do futebol nacional é extremamente restrita e que são poucos os clubes que conseguem permanecer com constância entre as Séries A e B do Campeonato Brasileiro. Em função disso, vimos que o caminho trilhado deveria procurar a solidez institucional ao invés de sonhos esporádicos, buscar pilares financeiros consistentes em detrimento de investidores pontuais, visar a modernidade ao contrário de escolher o lugar comum.

Somente através de um plano que compreendesse as necessidades presentes e futuras da Ferroviária, conseguiríamos reconectar esta organização com os valores constituídos ao longo de sua história. O desafio de retomar vínculo com a sociedade local, buscando uma nova representatividade em Araraquara, não é simples e exige muita resiliência e paciência.

Durante os últimos anos, foi criada uma política interna para que a Ferroviária pudesse angariar e selecionar um staff extremamente comprometido e talentoso. O investimento em recursos humanos fez com que o clube evoluísse consideravelmente na constituição de processos e aplicação de critérios organizacionais, dentro e fora do campo. Ainda há um grande caminho a percorrer, mas não há dúvidas que a cultura da construção coletiva e do debate irá pavimentar o sucesso deste clube.

Serei sempre grato ao presidente Carlos Salmazo, pelo aprendizado diário e por me oferecer a oportunidade de gerenciar o clube de minha cidade natal, a equipe que me ensinou a amar o futebol. Fico na torcida e confiante no crescimento de um projeto que procura, acima de tudo, orgulhar os araraquarenses.

Um grande abraço,
Pedro Martins

Autor: Rita Motta

Jornalista, editora de televisão e jornalismo na internet, que se especializou em jornalismo e marketing digital em comunicação.

Compartilhar essa notícia em
468 ad

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *